Por Daniel Benedetti


"Layla" é uma canção escrita por Eric Clapton e Jim Gordon, originalmente lançada por sua banda de blues rock, Derek and the Dominos, como a décima terceira faixa de seu único álbum de estúdio, Layla and Other Assorted Love Songs (novembro de 1970).

Seus movimentos contrastantes teriam sido compostos separadamente por Clapton e Gordon. A parte do piano também foi creditada controversamente a Rita Coolidge, a namorada de Gordon na época.

A canção foi inspirada em uma história de amor que se originou na Arábia do século VII e, mais tarde, formou a base de A história de Layla e Majnun, escrita pelo poeta persa do século XII, Nizami Ganjavi, através de uma cópia que Ian Dallas havia dado a Clapton.

O livro emocionou Clapton profundamente, porque era o conto de um jovem que se apaixonou irremediavelmente por uma linda jovem, enlouqueceu e não pôde se casar com ela. A música foi ainda mais inspirada pelo amor não correspondido de Clapton por Pattie Boyd, esposa de seu amigo e colega de música George Harrison, dos Beatles. Clapton e Boyd acabariam se casando posteriormente.

"Layla" não teve sucesso em seu lançamento inicial, mas, desde então, recebeu grandes elogios da crítica, e é frequentemente aclamada como estando entre as melhores músicas de rock de todos os tempos.

Em 1966, o guitarrista dos Beatles, George Harrison, casou-se com Pattie Boyd, uma modelo que ele conheceu durante as filmagens de A Hard Day's Night. Durante o final dos anos 60, Clapton e Harrison tornaram-se amigos íntimos.

Eric Clapton

Clapton contribuiu com o trabalho de guitarra (não creditado) na música de Harrison "While My Guitar Gently Weeps", no White Album dos Beatles, e Harrison coescreveu e tocou violão (como L'Angelo Misterioso) em "Badge", do álbum Goodbye, do Cream.

No entanto, entre seus tempos no Cream e no Blind Faith, Clapton se apaixonou por Boyd.

Boyd se divorciou de Harrison em 1977 e se casou com Clapton em 1979. Harrison não ficou amargo com o divórcio e participou da festa de casamento de Clapton com os Beatles Ringo Starr e Paul McCartney. Durante o relacionamento, Clapton escreveu outra balada de amor para Pattie, "Wonderful Tonight" (1977). Clapton e Boyd se divorciariam em 1988.

Após a separação do Cream, Clapton tentou com vários grupos, incluindo o Blind Faith e a dupla de marido e mulher, Delaney and Bonnie.

Em 1970, ele foi informado de que alguns membros da banda de apoio de Delaney and Bonnie, notavelmente o baixista Carl Radle, o baterista Jim Gordon e o tecladista Bobby Whitlock, estavam deixando o grupo. Aproveitando a oportunidade, Clapton formou um novo conjunto, que se tornou o Derek and the Dominos.

Durante a gravação do álbum, Duane Allman se juntou à nova banda de Clapton como convidado. Clapton e Allman, já fãs entre si, foram apresentados em um show da Allman Brothers, através do produtor Tom Dowd.

Jim Gordon

Os dois se deram bem e logo se tornaram bons amigos. Dowd disse sobre a química de tocar guitarra:

"Tinha que haver algum tipo de telepatia, porque nunca vi inspiração espontânea acontecer nesse ritmo e nível. Um deles tocava alguma coisa e o outro reagia instantaneamente. Nunca uma vez algum deles teve que dizer: 'Você poderia tocar isso de novo, por favor?' Era como duas mãos em uma luva. E eles começaram a brincar um com o outro".

Dowd já era famoso por uma variedade de trabalhos com Clapton em seus dias de Cream, e este álbum seria outra conquista. Para a realização de seu filme biográfico Tom Dowd and the Language of Music, ele remixou as fitas masters originais de "Layla".

Clapton originalmente escreveu "Layla" como uma balada, com letras descrevendo seu amor não correspondido por Boyd, mas a música se tornou um ‘rock’ quando, segundo Clapton, Allman compôs o riff magistral da música.

Com a banda montada e a produção de Dowd, "Layla" foi gravada em sua forma de rock.

A gravação da primeira seção consistiu em dezesseis faixas, das quais seis eram faixas de guitarra: uma faixa rítmica de Clapton, três faixas de harmonias tocadas por Clapton (o riff principal nos dois canais e duas harmonias contra esse riff principal, um no canal esquerdo e um no canal direito), uma faixa de solos de Allman (solos com notas dobradas durante os versos e um solo de slides durante o outro), e uma faixa com Allman e Clapton tocando solos duplicados (o riff de "assinatura" de 7 notas dobrou em duas oitavas e o riff de "assinatura" de 12 notas dobrou em uníssono).

Bobby Whitlock

De acordo com Clapton, Allman tocou as sete primeiras notas do riff de "assinatura" de 12 notas e as últimas cinco notas do slide na afinação padrão. Cada músico usou uma entrada do mesmo amplificador Fender Champ de duas entradas.

Logo depois, Clapton voltou ao estúdio, onde ouviu Jim Gordon tocando uma peça de piano que compusera separadamente. Clapton, impressionado com a peça, convenceu Gordon a permitir que ela fosse usada como uma parte da música.

Embora apenas Gordon tenha sido creditado por conta desta essa parte, de acordo com Whitlock, "Jim pegou a melodia de piano de sua ex-namorada Rita Coolidge. Eu sei porque nos dias de D&B eu morava na antiga casa de John Garfield, em Hollywood Hills, e havia um em que Rita e Jim estavam lá em cima na casa de hóspedes e me convidaram para escrever essa música com eles chamada 'Time'... Sua irmã Priscilla acabou a gravando com Booker T. Jones... Jim pegou a melodia da música de Rita e não lhe deu crédito por escrevê-la. Seu namorado a roubou."

"Time" acabou no álbum Chronicles, de Booker T. e Priscilla Jones, que foi lançado em 1973. A história de Whitlock foi repetida pela própria Coolidge em sua autobiografia, de 2016. A alegação também é fundamentada na autobiografia de Graham Nash, Wild Tales, de 2014.

O segundo movimento de "Layla" (a ‘Piano Exit’) foi gravada aproximadamente uma semana após a primeira, com Gordon tocando seu piano, Clapton tocando violão e slide guitar e Allman tocando guitarra e bottleneck slide guitar. Depois que Dowd uniu os dois movimentos, "Layla" ficou completa.

Devido às circunstâncias de sua composição, "Layla" é definida por dois movimentos, cada um marcado por um riff. O primeiro movimento, que foi gravado em D menor para os refrões e C-sharp menor para os versos, está centrado no "riff de assinatura", uma peça de guitarra que utiliza hammer-ons, pull-offs e power chords . A primeira seção contém o solo de guitarra com overdub, tocado por Allman.

A Derek and The Dominos

Ao colocar o slide em pontos além do final do braço da guitarra, Allman conseguiu tocar notas em um tom mais alto do que o que poderia ser tocado com a técnica padrão. Dowd se referiu a isso como "notas que não estão no instrumento!"

O segundo movimento, a contribuição de Jim Gordon ou Rita Coolidge, é comumente chamado de "Piano Exit". Originalmente tocada em dó maior, a velocidade da fita aumentou ligeiramente durante a mixagem. O tom resultante é algo entre C e C sharp. O interlúdio do piano no final da música é aumentado por um violão e também é o acompanhamento do outro solo. A mesma melodia também é tocada no violão de Allman uma oitava acima. Gordon não improvisa nem se desvia da parte do piano; Clapton e Allman são os que improvisam a melodia. A música termina com Allman tocando seu "canto de pássaro" em seu violão.

Clapton comentou sobre a música:

'Layla' é difícil, porque é uma música difícil de se apresentar ao vivo. Você precisa ter um bom complemento de músicos para obter todos os ingredientes, mas quando tiver isso.... É difícil fazer como quarteto, por exemplo, porque há algumas partes que você precisa tocar e cantar linhas completamente opostas, o que é quase impossível de se fazer. Se você tem uma banda grande, que eu terei na turnê, será fácil fazer algo como 'Layla' - e estou muito orgulhoso disso. Eu amo ouvir isso. É quase como se não sou eu. É como se eu estivesse ouvindo alguém que eu realmente gosto. Derek and The Dominos foi uma banda de que eu realmente gostei - e é quase como se eu não estivesse nessa banda. É apenas uma banda que eu sou fã. Às vezes, minha própria música pode ser assim. Quando isso serve para ser uma boa música, não me associo mais a ela. É como outra pessoa. É fácil fazer essas músicas então”.

Ou, como sua inspiração, Pattie Boyd, disse uma vez: "Eu acho que ele estava incrivelmente cru na época... Ele é um músico tão incrível que é capaz de colocar suas emoções na música de uma maneira que o público possa sentir, instintivamente, passa por você”.

Duas versões alcançaram sucesso nas paradas, a primeira em 1972, e a segunda (sem o piano coda) 20 anos depois, como uma performance acústica no Unplugged de Clapton. Em 2004, "Layla" ficou em 27º lugar na lista das 500 melhores músicas de todos os tempos da revista Rolling Stone, e a versão acústica ganhou o Grammy de melhor canção de rock, em 1993.

Carl Radle

O álbum Layla e Other Assorted Love Songs foi aberto a vendas sem brilho, pois o disco jamais chegou às paradas musicais no Reino Unido, possivelmente, em parte porque o nome de Clapton era encontrado apenas na contracapa do mesmo. Além disso, o comprimento da música mostrou-se um fator dificultoso para suas transmissões no rádio.

Como resultado, uma versão abreviada da música, consistindo dos primeiros 2:43 da Parte I, foi lançada como single, em março de 1971 pela Atco Records nos Estados Unidos. A versão alcançou o 51º lugar na parada de singles da Billboard Hot 100.

Quando "Layla" foi relançada nas compilações de 1972, The History of Eric Clapton e An Anthology, de Duane Allman, e depois relançou-se a versão completa de 7 minutos (incluindo a "Piano Exit" que formava a Parte II) como um single, ela atingiu a 7ª posição no Reino Unido e alcançou a 10ª colocação nos Estados Unidos. Com bons números de vendas, a revista Billboard conseguiu classificar o single como a 60ª música mais vendida em 1972.

Em 1982, "Layla" foi relançada como single no Reino Unido e alcançou o quarto lugar. Desta vez, todo o single de sete minutos foi mapeado, contendo os dois terços finais, que são apenas instrumentais.

A opinião crítica desde então tem sido extremamente positiva. Dave Marsh, no The Rolling Stone Illustrated History of Rock and Roll, escreveu que "existem poucos momentos no repertório do rock gravado em que um cantor ou compositor se aprofundou tanto em si mesmo que o efeito de ouvi-los é semelhante a testemunhar um assassinato. ou um suicídio... para mim, 'Layla' é o maior deles." Marsh listou "Layla" no número 156º lugar no seu The Heart of Rock & Soul: The 1001 Greatest Singles Ever Made.

Em maio de 1980, "Layla" foi regravada pela London Symphony Orchestra, mas sem a letra, sendo gravada no EMI Studio One, em Abbey Road, Londres. Uma versão semelhante foi executada pela Royal Philharmonic Orchestra.

A banda em 1970

Em 20 de setembro de 1983, um show beneficente chamado ARMS Charity Concert para Esclerose Múltipla, no Royal Albert Hall, em Londres, contou com uma jam com Eric Clapton, Jeff Beck e Jimmy Page tocando "Layla". Clapton, Beck e Page foram, sucessivamente, os guitarristas dos Yardbirds de 1963 a 1968.

Em 2003, a Allman Brothers Band começou a tocar a música em seus shows. Warren Haynes cantava, Gregg Allman tocava o piano, e Derek Trucks tocava as partes de guitarra de Duane Allman. As performances foram vistas como uma homenagem não apenas a Allman, mas também ao produtor Tom Dowd, que havia morrido no ano anterior.

Eric Clapton gravou ainda uma terceira versão. "Layla" aparece como a sétima faixa em Play the Blues: Live from Jazz at Lincoln Center.

Veja a letra de “Layla”:

What'll you do when you get lonely
And nobody's waitin by your side
You've been runnin and hidin much too long
You know it's just your foolish pride

Layla, you got me on my knees
Layla, I'm beggin darlin, please
Layla, darlin, won't you ease my worried mind

Tried to give you consolation
When your old man had let you down
Like a fool, I fell in love with you
you turned my whole world upside down

Layla, you got me on my knees
Layla, I'm beggin darlin, please
Layla, darlin, won't you ease my worried mind

Let's make the best of the situation
Before I finally go insane
Please don't say we'll never find a way
Don't tell me all my love's in vain

Layla, you got me on my knees
Layla, I'm beggin darlin, please
Layla, darlin, won't you ease my worried mind

Formação:
Eric Clapton - Vocal, Guitarra, Violão
Duane Allman - Guitarras deslizante
Bobby Whitlock - Hammond, Piano, Backing Vocals
Carl Radle - Baixo
Jim Gordon - Bateria, Percussão, Piano



0 Comentários