Por Daniel Benedetti


Shades of Deep Purple é o primeiro álbum de estúdio da banda Deep Purple, lançado em julho de 1968, pelo selo Tetragrammaton nos Estados Unidos, e, em setembro de 1968, pela Parlophone no Reino Unido.

A banda, inicialmente chamada de Roundabout, foi idealizada pelo ex-baterista do Searchers, Chris Curtis, que recrutou Jon Lord e Ritchie Blackmore antes de deixar o projeto. A formação original do grupo foi concluída pelo vocalista Rod Evans, o baixista Nick Simper e o baterista Ian Paice, em março de 1968.

Quando a primeira formação do Deep Purple se reuniu, em 1967, era um momento de transição para a cena musical britânica. O Beat ainda era popular, especialmente em salões de dança e fora da capital, mas o gosto dos jovens que compravam discos e enchiam os clubes mudava rapidamente em favor do blues rock, rock progressivo e rock psicodélico.

Novas bandas como The Moody Blues, Procol Harum e The Nice foram pioneiras na combinação de música clássica com rock, usando arranjos complexos e ousados. Ao mesmo tempo, a psicodelia estava avançando na sociedade hedonista de Londres, onde bandas como Pink Floyd, The Pretty Things, The Jimi Hendrix Experience, Traffic e Cream experimentavam diferentes formas de rock, induzido por drogas, com a subcultura hippie vinda dos EUA.

Muitos conjuntos bem estabelecidos, incluindo The Beatles, The Rolling Stones e The Who, foram influenciados pela mudança de estilo e acrescentaram muitos elementos do rock progressivo e psicodélico aos seus álbuns daquele período.

Durante esse período de grande criatividade para a cena musical britânica, no verão de 1967, Chris Curtis, ex-baterista da banda The Searchers, entrou em contato com o empresário londrino Tony Edwards para encontrar financiamento para um novo grupo que estava montando, chamado Roundabout.

O nome significava que o grupo conteria um elenco rotativo de membros não permanentes, subindo e saindo do palco como uma rotatória musical, com apenas Curtis como pilar e cantor.

Impressionado com o plano, Edwards concordou em financiar e gerenciar o empreendimento com dois parceiros de negócios, Ron Hire e John Coletta, e os três fundaram as empresas Hire-Edwards-Coletta Enterprises.

Em setembro de 1967, o primeiro recrutamento bem-sucedido da Roundabout foi o colega de apartamento de Curtis, o organista de Hammond, classicamente treinado, Jon Lord; o qual havia tocado mais notavelmente com o The Artwoods, uma banda liderada por Art Wood, irmão do futuro guitarrista dos Rolling Stones, Ronnie Wood, e que contava com Keef Hartley.

Naquela época, Lord tocava em uma banda que apoiava os bem-sucedidos vocalistas The Flower Pot Men, chamada The Garden, que também incluía o baixista Nick Simper e o baterista Carlo Little.

Jon Lord

Simper e Little foram alertados pelo projeto por Jon Lord e permaneceram em espera para um eventual envolvimento. Eles recomendaram a Lord o guitarrista Ritchie Blackmore, que tocou Chris Curtis quando sua banda The Searchers tocou no Star-Club em Hamburgo, na Alemanha.

Blackmore tinha sido membro do The Outlaws e tocou como músico de estúdio e ao vivo com muitos artistas de beat, pop e rock, incluindo Screaming Lord Sutch e The Savages, onde conheceu Little. Curtis contatou Blackmore para fazer uma audição para o novo grupo e o convenceu a se mudar de Hamburgo, onde estava frequentando clubes locais.

O guitarrista voltou para a Inglaterra para se juntar ao grupo em dezembro de 1967. Enquanto isso, o comportamento errático de Curtis - e sua súbita perda de interesse no projeto que ele começara - abrandavam qualquer empreendimento, forçando seus financiadores, a HEC Enterprises, a abandoná-lo e confiar a Lord e Blackmore a tarefa de preencher o restante do projeto da banda.

Lord contratou, como baixista, seu amigo Simper, cuja fama na época vinha de sua participação no grupo de rock and roll Johnny Kidd & The Pirates e por ter sobrevivido ao acidente de carro, em 1966, que matou Kidd.

A formação da Roundabout foi completada pelo baterista Bobby Woodman, recrutado por Blackmore. Dave Curtiss, um conhecido de Woodman, foi inicialmente considerado como vocalista, mas saiu para cumprir compromissos anteriores. De acordo com Simper, Ian Gillan, o cantor da banda Episode Six, também foi contatado para uma audição, mas recusou a oferta.

A Roundabout mudou-se para Deeves Hall, uma antiga casa de fazenda, alugada perto da vila de South Mimms, na região de Hertfordshire, no final de fevereiro de 1968. Lá, enquanto aguardavam a chegada de novos instrumentos e equipamentos musicais, eles continuaram a busca por um vocalista através de um anúncio no jornal musical britânico Melody Maker.

Rod Stewart estava entre as dezenas de aspirantes a vocalista considerados para as audições, mas não estava dentro dos padrões exigidos pela banda. Eles escolheram Rod Evans, que já era o cantor da banda The Maze.

Evans trouxe, após sua audição, seu colega de banda de 19 anos, Ian Paice, um baterista que Blackmore reconheceu de seus dias em Hamburgo. Eles rapidamente improvisaram uma audição para Paice e ele foi escolhido no local para substituir Woodman atrás da bateria. Woodman estava descontente com a direção que a banda estava seguindo e os outros membros pensaram que ele não era adequado para o som deles.

Os primeiros ensaios do que seria conhecido como a Mk I, a formação original do Deep Purple, envolvia principalmente improvisação e alguns trabalhos instrumentais como "And the Address" e "Mandrake Root", que Blackmore e Lord haviam escrito no início daquele ano.

Mandrake Root” também era o nome de uma banda anterior que Blackmore tentara formar na Alemanha, antes de ser contatado pela gerência da Roundabout. Após as duas instrumentais, a primeira música a ser arranjada foi “Help!”, um cover dos Beatles que Chris Curtis queria incluir em um eventual álbum.

Richie Blackmore

Evans escreveu algumas letras para "Mandrake Root", reduzindo para uma, as instrumentais. Tendo arranjado e ensaiado as três primeiras músicas, os músicos concentraram sua atenção em "I'm So Glad", uma música de Skip James, que havia sido anteriormente gravada por Cream e The Maze.

A próxima adição durante os ensaios foi "Hey Joe", uma música originalmente escrita por Billy Roberts e creditada por engano ao Deep Purple nos lançamentos originais do álbum.

A principal inspiração para o novo arranjo da música foi a versão de sucesso de 1966 do guitarrista americano Jimi Hendrix, mas a extensão da faixa foi ampliada com a inclusão de seções instrumentais de influência clássica. A banda também selecionou uma música pop rock chamada "Hush", escrita por Joe South para Billy Joe Royal no ano anterior, que Blackmore ouvira na Alemanha.

Os membros do Deep Purple eram músicos experientes com diferentes formações musicais: Lord havia treinado em música clássica e tocado em conjuntos de jazz e blues rock, Blackmore e Simper vieram de sessões de trabalho em pop rock, Paice e Evans, de bandas de beat. No entanto, ninguém era, naquele momento, um compositor talentoso. O único com experiência em composição musical era Lord, que trabalhou os arranjos e compôs a maior parte da música para o primeiro álbum, com alguns riffs de guitarra adicionados por Blackmore.

O álbum mostra o potencial da banda, mas não se concentra em um som distinto. Claramente identificáveis no álbum estão os estilos musicais que estavam se desenvolvendo no Reino Unido naquele período e que influenciaram os jovens músicos do Deep Purple, uma mistura de rock psicodélico, rock progressivo, pop rock e hard rock, o último mais evidente nas partes de guitarra de Blackmore.

O uso de tantas músicas cover para encher o álbum era uma característica comum na época, por causa do pouco tempo dedicado pelas bandas para composição e às agendas de produção apressadas. As faixas cover do álbum foram tratadas com novos arranjos para serem consideravelmente mais longas e soarem mais grandiosas do que as originais, em uma tentativa de emular a banda americana Vanilla Fudge, que muitos membros do Deep Purple admiravam.

"Hush" and "Help!" são exemplos claros do estilo Vanilla Fudge de desacelerar uma música e convertê-la a um Blues, com a finalidade de se obter um som mais psicodélico.

O som da banda também foi fortemente influenciado pela música clássica: "I'm So Glad" é apresentada por "Prelude: Happiness", oferecendo um arranjo elétrico inspirado no primeiro movimento da suíte sinfônica de Nikolai Rimsky-Korsakov, Scheherazade.

O cover de "Hey Joe" foi rearranjado, inserindo partes retiradas da dança de “Miller's Dance, suite no. 2”, parte 2 do ballet El sombrero de tres picos, de Manuel de Falla, em um ritmo que lembra o Boléro de Maurice Ravel.

Com uma possível lista de músicas sendo modelada durante os ensaios, Blackmore convenceu um amigo dele, Derek Lawrence, a ser o produtor da banda. Eles se conheceram anos antes, quando ambos trabalhavam para o produtor Joe Meek e Lawrence administrava uma empresa de produção independente que gravava singles para lançamento nos Estados Unidos.

Em ação, em 1968

Lawrence tinha muitos contatos nos EUA e esteve presente em algumas das sessões da Roundabout, ficando impressionado.

Através de Lawrence, a HEC Enterprises entrou em contato com a nova gravadora americana Tetragrammaton Records, que procurava uma banda britânica para trabalhar.

A HEC trabalhou para o conjunto gravar algumas demos para a gravadora americana no final de março e início de abril, no Trident Studios, em Londres. O grupo gravou duas de suas músicas desenvolvidas anteriormente, "Hush" e "Help!", além de duas novas músicas: "Love Help Me" já havia sido desenvolvida antes de Evans e Paice se juntarem, enquanto "Shadows" foi composta rapidamente e organizada pela banda para as sessões de gravação.

Lawrence também mostrou a demo de "Help!" à gravadora britânica EMI, que ofereceu um acordo para distribuição na Europa com seu subtítulo Parlophone. Todas as demos, com exceção de "Shadows", foram enviadas à Tetragrammaton para aprovação.

A gravação das demos foi seguida por uma curta turnê promocional de oito datas na Dinamarca e na Suécia até abril e maio, reservada como Roundabout por um amigo de Lord.

O nome da banda foi alterado nesse momento, depois que Blackmore sugeriu o título da música favorita de sua avó, "Deep Purple", de Peter DeRose. O Deep Purple fez seu primeiro show na Park School, no distrito de Vestpoppen, Tastrup, na Dinamarca, em 20 de abril de 1968 e o show incluiu todas as novas músicas e o cover de "Little Girl", originalmente de John Mayall e Eric. Clapton.

Quando o grupo voltou para a Inglaterra, a Tetragrammaton confirmou a decisão de contratá-la. Essa foi uma graça salvadora, porque a HEC gastou quase todo o seu orçamento em promoção e equipamento. O conjunto se mudou para Highleigh Manor, em Balcombe, West Sussex, porque Deeves Hall não estava mais disponível.

Enquanto a banda estava em turnê, um tempo em estúdio havia sido reservado e no sábado, 11 de maio de 1968, o Deep Purple entrou no Pye Studios, na ATV House em Londres. Lá, com Lawrence produzindo e Barry Ainsworth atuando como engenheiro, o conjunto gravou o material recentemente apresentado usando uma máquina de fita de quatro faixas.

Era costume naqueles anos, especialmente para as bandas de estréia, ter pequenos orçamentos de produção, o que permitia um tempo muito limitado no estúdio de gravação. Sob essas condições, era difícil fazer muitos overdubs e as músicas foram gravadas, ao vivo, em uma ou duas tomadas.

"And the Address" e "Hey Joe" foram feitas primeiramente, seguidas por "Hush" e "Help!", mais tarde, no primeiro dia. No domingo, "Love Help Me", "I'm So Glad" (com um prelúdio de música clássica intitulado "Happiness") e "Mandrake Root" foram gravadas. Finalmente, na segunda-feira, 13 de maio, "One More Rainy Day" foi feita, completando a gravação do álbum.

Rod Evans

Os efeitos sonoros extraídos de um álbum da BBC foram adicionados como transições entre as músicas durante a mixagem, que foi concluída naquele mesmo dia.

A instrumental “And the Address” abre o disco com boa dose de balanço e antecipa a versão para “Hush”, uma faixa divertida e empolgante, com toques psicodélicos e, ao mesmo tempo, pop. A autoral “One More Rainy Day” traz o talento e a proeminência dos teclados do saudoso Jon Lord enquanto a versão para “I’m So Glad” demonstra toques de Rock Progressivo, com Lord e Blackmore ‘destruindo’ tudo.

A interessantíssima “Mandrake Root” é um Hard Rock Psicodélico, com ótima presença de Ian Paice e bons vocais de Evans. O Deep Purple desconstrói completamente a clássica “Help!”, colocando os pés no freio e lhe conferindo uma profundidade bem interessante, além de expandi-la para além de 6 minutos. “Love Help Me” é curta e bem direta e antecede a canção derradeira do trabalho, “Hey Joe”, em outra brilhante desconstrução musical, com Jon Lord brilhando intensamente!

O álbum final foi levado aos representantes da Tetragrammaton em Londres, que aprovaram seu lançamento. Após a aprovação final, os membros da banda estavam vestidos com roupas da moda no Mr. Fish Emporium, onde fizeram uma sessão de fotos.

As fotos resultantes foram enviadas com as fitas master para a América, onde a Tetragrammaton começou a produção e distribuição do álbum. O design da capa, de Les Weisbrich, supostamente custou meio milhão de dólares.

O single "Hush" foi lançado no exterior, em junho de 1968, e acabou sendo um enorme sucesso, atraindo a atenção para a banda e alcançando o 4º lugar nas paradas americanas e o 2º nas paradas canadenses.

A relutância da gravadora em lançar "Help!" como single promocional e, em vez disso, optar por "Hush", provou ser engenhosa. Amplamente distribuída e promovida, a música foi tocada em rádios por todo os Estados Unidos, principalmente na costa oeste, e a fama da banda cresceu consideravelmente.

O álbum foi lançado nos Estados Unidos em julho de 1968 e alcançou o 24º lugar na parada da Billboard.

O single "Hush" foi lançado no Reino Unido, no final de julho, mas não atraiu muito interesse. Em agosto, uma aparição na TV britânica, no David Frost Show para sincronizar a música foi filmada com o roadie Mick Angus substituindo um Blackmore indisponível. No entanto, a presença deles na TV não ajudou nas vendas do single no Reino Unido e fez a Parlophone adiar o lançamento do álbum.

A banda gravou algumas sessões para o programa de rádio Top Gear de John Peel, na BBC, mas a Inglaterra em geral não era sua prioridade. Essas gravações ressurgiram recentemente e estão incluídas no álbum de compilação BBC Sessions 1968-1970.

Finalmente, Shades of Deep Purple foi lançado no Reino Unido com uma capa muito mais simples, em setembro de 1968, e passou quase despercebido por lá.

A MK I

Uma pobre versão do álbum foi lançada no Reino Unido e na Europa, que era simplesmente uma dobra da mixagem estéreo.

Shades of Deep Purple foi reeditado várias vezes em todo o mundo, geralmente em um set com os dois álbuns seguintes gravados pela Mk. I. Além das edições originais, a versão mais significativa do álbum é a edição em CD remasterizado, lançada em 2000 pela EMI, que contém como faixas bônus as gravações inéditas das primeiras demos, de abril de 1968, e das aparições em programas de TV.

Todas as músicas foram remasterizadas e restauradas digitalmente por Peter Mew no Abbey Road Studios, em Londres, retirando os efeitos sonoros usados como transições na edição original.

A recepção do álbum e da banda em seu país de origem foi geralmente negativa. Apesar de ter sido apresentado como um "grupo comercial polido" em suas aparições no rádio, os excessos e o sucesso do Deep Purple nos EUA não causaram uma boa impressão no público britânico.

O vocalista dos Deviants e (mais tarde) jornalista, Mick Farren, descreveu a música do Deep Purple como “um barulho lento e pomposo, em algum lugar entre Tchaikovsky ruim e um B-52 decolando em uma corrida de bombardeios”. O grupo também foi criticado por ser americano demais e taxado de "Vanilla Fudge pobre”.

Como Brian Connolly, do Sweet, lembrou, "eles estavam tão fora do lugar que você realmente sentiu pena deles".

Por outro lado, nos EUA, a banda era frequentemente apresentada como "Vanilla Fudge inglês" e a cobertura massiva de rádio de suas músicas garantiu sucesso tanto para o álbum quanto para a turnê.

Décadas depois, as críticas modernas do álbum são geralmente positivas. Bruce Eder, do AllMusic, considera bem Shades of Deep Purple, apesar de algumas falhas, e elogia o "espírito contagiante de diversão" do disco, que tem "muito mais sensação dos anos 60 do que nós estamos acostumados a ouvir dessa banda".

O colaborador do Blogcritics, David Bowling, afirma que Shades of Deep Purple "foi um álbum de estréia criativo e muito bom", que combina "música psicodélica com hard rock e rock progressivo inicial em um todo agradável, embora desarticulado".

A revisão da PopMatters dos três álbuns da formação MK I considera-os "respeitáveis e consistentes", embora a voz de Evans seja "talvez mais adequada ao pop pesado do que ao rock pesado".

O jornalista canadense Martin Popoff descreveu essa encarnação inicial do Deep Purple como uma "banda psicológica difícil", mais comprometida com a música do que outros contemporâneos e já capaz de criar "um barulho que previa definitivamente o que estava por vir".

Em uma pesquisa dos Maiores Álbuns Britânicos, pela Observer Music, o tecladista Rick Wakeman escolheu Shades of Deep Purple como seu álbum britânico favorito de todos os tempos.

Formação:
Rod Evans - Vocal
Ritchie Blackmore - Guitarra
Jon Lord - Órgão, Backing Vocal
Nick Simper - Baixo, Backing Vocal
Ian Paice - Bateria

Faixas:
01. And the Address (Blackmore/Lord) - 4:38
02. Hush (South) - 4:24
03. One More Rainy Day (Lord/Evans) - 3:40
04. Prelude: Happiness/I'm So Glad (Blackmore/Evans/Lord/Ian Paice/Simper/James) - 7:19
05. Mandrake Root (Blackmore/Lord/Evans) - 6:09
06. Help! (Lennon/McCartney) - 6:01
07. Love Help Me (Blackmore/Evans) - 3:49
08. Hey Joe (Roberts) - 7:33



0 Comentários