DISCOGRAFIA BIOGRÁFICA: STEVIE RAY VAUGHAN

By Daniel Benedetti - julho 31, 2019



Uma estreia aqui no Alvorada Sonora!

Esta é a primeira DISCOGRAFIA BIOGRÁFICA, uma seção especial em que se vai trazer comentários sobre os álbuns de estúdio de artistas/bandas, além de se passear pela história dos mesmos, ainda que de forma mais enxuta.

E, para estrear, nada melhor que o grande Stevie Ray Vaughan! Então, fique com a primeira DISCOGRAFIA BIOGRÁFICA!


Stephen Ray Vaughan nasceu em 3 de outubro de 1954, em Dallas, no Estado norte-americano do Texas.

O avô de Stevie, Thomas Lee Vaughan, casou-se com Laura Belle LaRue e se mudou para o condado de Rockwall, no Texas, onde viviam em parceria. O pai de Stevie, Jimmie Lee Vaughan, nasceu em 6 de setembro de 1921.

Jimmie, também conhecido como Jim e Big Jim, abandonou a escola aos dezesseis anos e se alistou na Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Após a sua quitação, ele se casou com Martha Cook, em 13 de janeiro de 1950. Eles tiveram um filho, Jimmie, em 1951. Stephen nasceu em 3 de outubro de 1954.

Big Jim conseguiu um emprego como trabalhador de amianto, uma ocupação que envolvia esforço manual rigoroso. A família se mudou com frequência, vivendo em outros Estados, antes de finalmente se mudar para a seção de Oak Cliff, em Dallas.

Um menino tímido e inseguro, Vaughan foi profundamente afetado por suas experiências de infância. Seu pai lutava contra o abuso do álcool e muitas vezes aterrorizava sua família e amigos com seu mau humor. Nos últimos anos, Vaughan lembrou que ele havia sido vítima da violência de seu pai. Seu pai morreu em 27 de agosto de 1986, exatamente quatro anos antes de Vaughan.

No início dos anos 1960, a admiração de Vaughan por seu irmão Jimmie fez com que ele experimentasse instrumentos diferentes, como bateria e saxofone. Em 1961, em seu sétimo aniversário, Vaughan ganhou sua primeira guitarra, um brinquedo da Sears.

Aprendendo de ouvido, ele diligentemente aprendeu canções do the Nightcaps, particularmente “Wine, Wine, Wine” e “Thunderbird”. Ele ouvia artistas de blues como Albert King, Otis Rush e Muddy Waters, além de guitarristas de rock como Jimi Hendrix e Lonnie Mack, além de guitarristas de jazz como Kenny Burrell. Em 1963, ele adquiriu sua primeira guitarra elétrica, uma Gibson ES-125T, uma de segunda mão de seu irmão Jimmie.

Logo depois que ele adquiriu uma guitarra elétrica, Vaughan se juntou a sua primeira banda, the Chantones, em 1965. Seu primeiro show foi em um concurso de talentos realizado no Hill Theatre, de Dallas, mas depois de perceber que eles não poderiam tocar uma música de Jimmy Reed em sua totalidade, Vaughan deixou a banda e se juntou ao Brooklyn Underground, tocando profissionalmente em bares e clubes locais.

Jimmie e Stevie
Miserável em casa, Vaughan conseguiu um emprego em uma lanchonete local, onde lavava a louça e despejava lixo por setenta centavos por hora. Depois de cair em um barril de graxa, ele se cansou do trabalho e desistiu para dedicar sua vida a uma carreira musical.

Em maio de 1969, depois de deixar o Brooklyn Underground, Vaughan se juntou a uma banda chamada Southern Distributor. Embora eles tocassem covers de pop rock, Vaughan transmitiu seu interesse pela adição de canções de blues ao repertório do grupo; mas ouviu que ele não ganharia a vida tocando blues e a banda se separou.

Mais tarde naquele ano, o baixista Tommy Shannon entrou em um clube de Dallas e ouviu Vaughan tocando guitarra. Fascinado, Shannon pegou emprestado um baixo e os dois tocaram. Em poucos anos, eles começaram a tocar juntos em uma banda chamada Krackerjack.

Em fevereiro de 1970, Vaughan se juntou a uma banda chamada Liberation, que era um grupo de nove integrantes com uma seção de metais. Tendo passado o último mês tocando baixo com Jimmie no Texas Storm, ele tinha feito o teste original como baixista. Impressionado pela guitarra de Vaughan, Scott Phares, o guitarrista original do grupo, tornou-se modestamente o baixista.

Tendo frequentado o colégio Justin F. Kimball durante o início dos anos 1970, os shows noturnos de Vaughan contribuíram para sua negligência em seus estudos, incluindo a teoria musical; ele costumava dormir durante as aulas.

Em setembro de 1970, Vaughan fez suas primeiras gravações de estúdio com a banda Cast of Thousands, que incluía o futuro ator Stephen Tobolowsky. Eles gravaram duas músicas. No final de janeiro de 1971, sentindo-se confinado ao tocar sucessos pop com a Liberation, Vaughan formou sua própria banda, Blackbird. Depois de se cansar da cena musical de Dallas, ele abandonou a escola e se mudou com a banda para Austin, também no Texas, que tinha audiências mais liberais e tolerantes. No início de dezembro de 1972, Vaughan deixou a Blackbird e se juntou a uma banda de rock chamada Krackerjack; ele tocou com eles por menos de três meses.

Em março de 1973, Vaughan se juntou a banda de Marc Benno, Nightcrawlers, chegando a gravar um álbum, pela A & M Records. Embora o disco fosse rejeitado pela A & M, incluiu os primeiros esforços de composição de Vaughan, “Dirty Pool” e “Crawlin’”.

Em 1975, Vaughan se juntou a uma banda de seis membros chamada Paul Ray and the Cobras. No final de 1976, Vaughan gravou um single com eles, “Other Days” como o lado A e “Texas Clover” como o lado B. Tocando guitarra nas duas faixas, o single foi lançado em 7 de fevereiro de 1977.

Vaughan excursionou com os Cobras durante grande parte de 1977, mas perto do final de setembro, depois que eles decidiram se voltar a uma direção musical mainstream, ele deixou a banda e formou a Triple Threat Revue, que incluía o cantor Lou Ann Barton, o baixista WC Clark e baterista Fredde Pharaoh. Em janeiro de 1978, eles gravaram quatro músicas em Austin, incluindo a composição de Vaughan “I'm Cryin’”.

Em meados de maio de 1978, Clark saiu do grupo para formar seu próprio conjunto e Vaughan renomeou a banda para Double Trouble, nome retirado do título de uma canção de Otis Rush. Após o recrutamento do baixista Jackie Newhouse, Pharaoh desistiu, em julho, e foi brevemente substituído por Jack Moore, que havia se mudado do Boston para o Texas; ele tocou com a banda por cerca de dois meses.

Vaughan então começou a procurar por um baterista e logo depois, conhecendo Chris Layton, o qual havia recentemente se separado do Greezy Wheels. No início de julho, Vaughan fez amizade com Lenora Bailey, conhecida como ‘Lenny’, que se tornou sua namorada e, finalmente, sua esposa. O casamento duraria seis anos e meio.

Chris Layton

No início de outubro de 1978, Vaughan and Double Trouble conseguiram uma residência frequente em um dos locais noturnos mais populares de Austin, o Rome Inn. Durante uma apresentação, Edi Johnson, um contador da Manor Downs, notou Vaughan e o recomendou ao dono da Manor Downs, Frances Carr e ao gerente-geral, Chesley Millikin, quem estava interessado em gerenciar artistas e viu o potencial musical de Vaughan.

Vaughan também contratou Robert ‘Cutter’ Brandenburg como gerente de turnês, a quem ele conheceu em 1969. Dirigindo-se a ele como ‘Stevie Ray’, Brandenburg convenceu Vaughan a usar seu nome do meio no palco.

Em outubro de 1980, o baixista Tommy Shannon participou de uma apresentação do Double Trouble no Rockefeller, em Houston. Shannon, que estava tocando com Alan Haynes na época, participou de uma jam session com Vaughan e Layton no meio do set. Quase três meses depois, quando Vaughan ofereceu a Shannon a posição, ele aceitou prontamente.

Tommy Shannon

Em 5 de dezembro de 1979, enquanto Vaughan estava em um camarim antes de uma apresentação em Houston, um policial fora de serviço o prendeu depois de testemunhar seu uso de cocaína perto de uma janela aberta. Ele foi formalmente acusado de posse de cocaína e, posteriormente, liberado sob fiança de mil dólares. A Double Trouble foi o ato de abertura de Muddy Waters, que disse sobre o abuso de substâncias de Vaughan:

Stevie poderia ser o maior guitarrista de todos os tempos, mas ele não viverá 40 anos se não deixar o pó branco sozinho”.

No ano seguinte, Vaughan foi obrigado, em 16 de janeiro e 29 de fevereiro, a comparecer ao tribunal.

Durante a data final da corte, em 17 de abril de 1980, Vaughan foi condenado a dois anos de liberdade condicional e foi proibido de deixar o Texas, além de uma estipulação para entrar em tratamento contra o abuso de drogas. Depois que um advogado foi contratado, seu agente de liberdade condicional revisou a sentença para permitir que ele trabalhasse fora do estado.

Apesar de popular no Texas na época, o Double Trouble não conseguiu atrair a atenção nacional. A sorte do grupo mudou quando o produtor musical Jerry Wexler o recomendou a Claude Nobs, organizador do Montreux Jazz Festival. Nobs concordou em reservar o Double Trouble em 17 de julho.

A apresentação foi encerrada com algumas vaias e desapontou Vaughan.

Na noite seguinte, o Double Trouble foi reservado no lounge do Casino Montreux, com Jackson Browne presente. Browne tocou com a banda até as primeiras horas da manhã e ofereceu-lhes o uso gratuito de seu estúdio de gravação pessoal no centro de Los Angeles. No final de novembro, a banda aceitou sua oferta e gravou dez músicas em dois dias.

A Double Trouble

Enquanto estavam no estúdio, Vaughan recebeu um telefonema de David Bowie, que o conheceu após a apresentação em Montreux, e o convidou para participar de uma sessão de gravação de seu próximo álbum de estúdio, Let's Dance. Em janeiro de 1983, Vaughan gravou a guitarra de seis das oito canções do álbum, incluindo a faixa-título e “China Girl”.

Em meados de março de 1983, Gregg Geller, vice-presidente de A & R da Epic Records, assinou com a Double Trouble, por recomendação do produtor musical John Hammond.

Com o sucesso de Let's Dance, Bowie pediu a Vaughan que atuasse como instrumentista de destaque para a próxima turnê Serious Moonlight, percebendo que ele era um aspecto essencial do sucesso inovador do álbum. No final de abril, Vaughan começou os ensaios para a turnê em Las Colinas, no Texas. Quando as renegociações contratuais por sua taxa de performance falharam, Vaughan abandonou a turnê dias antes de sua data de abertura.

Em 9 de maio, a banda se apresentou no The Bottom Line, em Nova York, onde eles abriram para Bryan Adams, com Hammond, John McEnroe, Rick Nielsen, Billy Gibbons e Johnny Winter presentes. O desempenho rendeu a Vaughan uma crítica positiva publicada no jornal Nova York Post, afirmando que o Double Trouble superou Adams.

Depois de adquirir as gravações realizadas no estúdio de Browne, o Double Trouble começou a montar o material para um LP completo.

TEXAS FLOOD – 1983

O álbum de estreia de Stevie Ray Vaughan foi lançado em 13 de junho de 1983, através do selo Epic Records. As gravações ocorreram entre 22 e 24 de novembro de 1982, no Riverside Sound, em Austin, Texas, Estados Unidos. A produção ficou por conta da própria banda, Stevie Ray Vaughan and Double Trouble, e Richard Mullen. O trabalho é aberto com uma faixa sensacional, que remete à década de 50, chamada “Love Struck Baby”. O clássico “Pride and Joy” possui letras sobre uma garota e um feeling espetacular da guitarra de Vaughan, incluindo um solo de guitarra arrepiante! A versão para “Texas Flood”, de Larry Davis, é indescritível, e a atuação de Stevie é digna de todos os elogios. Outra versão, agora para “Tell Me”, de Howlin’ Wolf, apresenta uma melodia divertida e contagiante. Encerra o lado A mais um cover, desta feita da banda Isley Brothers, com “Testify”, uma canção com profundo toque Soul, mesmo instrumental. Outra faixa instrumental abre o lado B, com “Rude Mood”, na qual Vaughan faz misérias com a guitarra e a bateria de Chris Layton divide o protagonismo. “Mary Had a Little Lamb” é outro cover, desta feita de Buddy Guy, contando com uma pegada Blues Rock incrível. “Dirty Pool” demonstra um sentido mais melancólico, com a guitarra de Vaughan praticamente em lamento, constituindo-se em uma música extraordinária. “I’m Cryin’” é outra faixa bem divertida e empolgante, com uma levada bastante maliciosa. Para encerrar o disco, outra faixa instrumental, a sorumbática “Lenny”. “Love Struck Baby” foi o primeiro single, sem maiores repercussões, enquanto “Pride and Joy” atingiu a 20ª posição da parada de Rock da Billboard. Texas Flood atingiu a 38ª posição da principal parada norte-americana, a Billboard 200, e ultrapassa 2 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos. Muito mais importante que isto, Texas Flood é um álbum que atesta a genialidade de Stevie Ray Vaughan.

Stevie em 1983
Após uma breve turnê na Europa, a Double Trouble se apresentou como abertura para o The Moody Blues durante uma turnê de dois meses na América do Norte. Depois de aparecer na série de televisão Austin City Limits, a banda fez um show com ingressos esgotados no Beacon Theatre, de Nova York. A revista Variety escreveu que o set de noventa minutos no Beacon “não deixou dúvidas de que esse jovem músico do Texas é de fato o ‘guitar hero’ da atualidade”.

COULDN’T STAND THE WEATHER – 1984

Em janeiro de 1984, Stevie Ray Vaughan and Double Trouble foi ao estúdio Power Station, em Nova York, com produção da própria banda, com auxílio de Richard Mullen e Jim Capfer. A Epic Records lançou o disco em 15 de maio daquele mesmo ano. A instrumental e ‘roqueira’ “Scuttle Buttin’” abre o disco, em um ritmo acelerado. A magnífica “Couldn't Stand The Weather” é repleta de malemolência e swing, em uma composição repleta de feeling e criatividade, com excelentes vocais de Stevie. A versão marcante para “The Things (That) I Used to Do”, de Eddie Jones, traz intensidade e um clima intimista para a obra. Para encerrar o lado A, Vaughan abala todas as estruturas com um cover sensacional para “Voodoo Child (Slight Return)”, de Jimi Hendrix, com o nome sutilmente alterado para “Voodoo Chile (Slight Return)”, com uma apresentação incrível de Stevie nas guitarras. O lado B é aberto com o toque sutil de “Cold Shot”, uma versão para a faixa originalmente composta por Michael Kindred e W. C. Clark. Outro cover matador é para “Tin Pan Alley”, em uma tour de 9 minutos de absolutos feeling, intensidade e paixão. “Honey Bee” é repleta de Boogie, em uma composição lotada de energia e de ritmo. A instrumental “Stang's Swang” encerra o disco, com um Jazz vívido e envolvente. “Voodoo Child (Slight Return)” e “Cold Shot” alcançaram, respectivamente, as 26ª e 29ª colocações na parada US Rock da Billboard, com o single final “Couldn't Stand The Weather” não repercutindo em termos de paradas de sucesso. O álbum Couldn't Stand The Weather manteve a curva ascendente de sucesso de Stevie Ray Vaughan, conquistando a 31ª posição da Billboard 200 e também ultrapassando a casa de 2 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos. De modo até surpreendente, pode-se dizer que Couldn't Stand The Weather conseguiu a “impossível” missão de se igualar, em termos de qualidade, ao impressionante Texas Flood.

Em 4 de outubro de 1984, Vaughan encabeçou uma apresentação no famoso Carnegie Hall que incluiu muitos músicos convidados. A apresentação tinha um intuito de contribuição para a T.J. Martell Foundation's, para financiar a pesquisa sobre câncer e leucemia. O público de 2.200 pessoas também contava com a esposa, a família e os amigos de Vaughan.

Stevie, em 1984
No dia seguinte, a Double Trouble fez uma aparição em uma loja de discos em Greenwich Village, onde assinaram autógrafos para os fãs. No final de outubro de 1984, a banda excursionou pela Austrália e Nova Zelândia. Nos dias 5 e 9 de novembro, eles tocaram em concertos com ingressos esgotados no Sydney Opera House. Ao retornar para os EUA, a Double Trouble fez uma breve turnê na Califórnia. Logo depois, Vaughan e Lenny foram para a ilha de Saint Croix, nas Ilhas Virgens dos EUA, no Mar do Caribe, onde passaram algum tempo em férias em dezembro. No mês seguinte, a Double Trouble voou para o Japão, onde eles apareceram em cinco apresentações.

SOUL TO SOUL – 1985

Novamente com a produção da própria banda e de Richard Mullen, Soul to Soul foi gravado no estúdio Dallas Sound Lab, em Dallas, nos Estados Unidos, entre março e maio de 1985. A Epic Records o lançou em 30 de setembro daquele mesmo ano. “Say What!” é um Hard Blues Rock inspirado, contando com bastante distorção da guitarra de Vaughan, em solos infernais, e os teclados de Reese Wynans bem proeminentes. O trabalho de metais é mais notável em “Lookin' Out the Window”, originalmente composta por Doyle Bramhall. Novamente os teclados dão as cartas em “Look at Little Sister”, com o saxofone de Joe Sublett comandando este cover da faixa de Hank Ballard. A melancolia é preponderante em “Ain't Gone 'n' Give Up on Love”, oferecendo um grande destaque às guitarras de Vaughan, com o feeling único do guitarrista em efervescência. Para fechar a primeira metade, “Gone Home”, outro flerte ‘jazzístico’, em uma composição de Eddie Harris. Outro momento de Doyle Bramhall no disco é “Change It”, uma canção mais Rock. “You'll Be Mine”, de Willie Dixon, possui um toque inegável de rockabilly, deixando-a ainda mais saborosa. “Empty Arms” tem Vaughan na bateria e Shannon, Layton e Wynnans nos vocais, em uma música mais contida. Uma versão pesada para “Come On (Part III)”, de Earl King, traz o rock ainda mais para a musicalidade do álbum. Encerrando o trabalho com uma melodia mais tristonha, está a tocante “Life Without You”. “Look At Little Sister” e “Change It” foram os singles e ambos, curiosamente, conquistaram a 17ª posição da parada US Rock da Billboard. Soul to Soul atingiu a 34ª colocação da principal parada norte-americana de discos. Longe de ser um álbum qualquer, muito pelo contrário, mas, mesmo assim, considera-se que Soul to Soul está em um nível mais baixo que seus antecessores. Ainda assim, vendeu 1 milhão de cópias apenas nos Estados Unidos.

Vaughan, que achava cada vez mais difícil tocar partes de guitarra e cantar ao mesmo tempo, queria adicionar outra dimensão à banda, então ele contratou o tecladista Reese Wynans para gravar em Soul to Soul; e ele se juntou à banda logo depois disso.

A nova Double Trouble, com Wynans
Após uma turnê de nove meses e meio, a Epic Records solicitou um quarto álbum da Double Trouble como parte de sua obrigação contratual. Em julho de 1986, Vaughan decidiu que eles gravariam o LP, Live Alive, durante três shows ao vivo em Austin e Dallas. Em 17 e 18 de julho, a banda realizou concertos com ingressos esgotados na Austin Opera House, e em 19 de julho, no Dallas Starfest. Eles usaram gravações desses shows para montar o LP, que foi produzido por Vaughan.

O álbum Live Alive foi lançado em 17 de novembro de 1986, e é o único LP oficial ao vivo que a Double Trouble lançou durante a vida de Vaughan, apesar de nunca ter aparecido na parada da Billboard 200. Vaughan admitiu posteriormente que não foi um dos seus melhores esforços.

Em 1960, quando Vaughan tinha seis anos de idade, ele começou a roubar as bebidas do pai. Atraído por seus efeitos, ele começou a fazer suas próprias bebidas e isso resultou em dependência de álcool.

Enquanto Vaughan afirmou que ele experimentou, pela primeira vez, os efeitos da cocaína quando um médico lhe prescreveu uma solução líquida do estimulante como um spray nasal, tem sido relatado que sua primeira incursão com a droga foi em 1975, enquanto tocava com os Cobras.

Antes disso, Vaughan havia usado brevemente outras drogas, como cannabis, metanfetamina e Quaaludes, o nome comercial da metaqualona. Depois de 1975, ele regularmente bebia uísque e usava cocaína, particularmente misturando as duas substâncias juntas. Na turnê europeia de setembro de 1986, a situação chegara em um ponto crítico. No auge do seu abuso de substância, Stevie bebia 1 litro de uísque e usava sete gramas de cocaína por dia. (Craig Hopkins - Stevie Ray Vaughan – Day by Day, Night After Night: His Final Years, 1983–1990).

Em setembro de 1986, o Double Trouble viajou para a Dinamarca, para um tour de um mês pela Europa. Durante a madrugada de 28 de setembro, Vaughan adoeceu após uma apresentação em Ludwigshafen, na Alemanha, sofrendo de desidratação e ficou perto da morte, recebendo tratamento médico. O incidente resultou no seu check-in na The London Clinic sob os cuidados do Dr. Victor Bloom, que o avisou que ele estava a um mês de distância da morte.

Depois de ficar em Londres por mais de uma semana, Stevie retornou aos Estados Unidos e entrou no Hospital Peachford, em Atlanta, onde passou quatro semanas em reabilitação do abuso de substâncias; Shannon também se registrou em reabilitação na cidade de Austin.

Em novembro de 1986, após sua saída da reabilitação, Vaughan voltou para a casa da mãe em Glenfield Avenue, em Dallas, onde passou grande parte de sua infância. Durante esse tempo, a Double Trouble começou os ensaios para a turnê Live Alive. Embora Vaughan estivesse nervoso em se apresentar após alcançar a sobriedade, ele recebeu apoio.

A turnê começou em 23 de novembro, na Towson State University, que foi a primeira apresentação de Vaughan com a Double Trouble após sua reabilitação.

Stevie, em 1985
Como a turnê progrediu, Vaughan estava ansioso para trabalhar em material para o seu próximo LP, mas, em janeiro de 1987, ele pediu o divórcio de Lenny, fato que o restringiu de todos os projetos até que o processo fosse finalizado.

Isso o impediu de escrever e gravar músicas por quase dois anos, mas o Double Trouble escreveu a música “Crossfire” com Bill Carter e Ruth Ellsworth. Em 6 de agosto de 1987, o Double Trouble apareceu no Austin Aqua Festival, onde tocaram para uma das maiores audiências de sua carreira.

Após uma turnê de um mês como o show de abertura de Robert Plant, em maio de 1988, que incluiu um show no Maple Leaf Gardens em Toronto, a banda foi contratada para uma turnê européia, que teria 22 apresentações e terminou em Oulu, Finlândia, em 17 de julho. Este seria o último show de Vaughan na Europa.

IN STEP – 1989

Com produção da própria Double Trouble e de Jim Gaines, In Step (uma clara referência ao processo de reabilitação de Stevie) foi gravado entre 25 de janeiro e 13 de março de 1989, no Kiva Studios, em Memphis, e nos Sound Castle e Summa Studios, em Los Angeles, todos nos Estados Unidos. A Epic Records lançou o trabalho em 6 de junho daquele ano. “The House Is Rockin’” é uma canção espetacular, mais um Blues Rock repleta de ritmo e velocidade. “Crossfire” mantém a pegada da faixa anterior, apontando vocais insanos de Vaughan e sua guitarra totalmente endiabrada, em outro Blues Rock incrível. “Tightrope” é menos intensa e pesada, e conta até com uma leve influência country, em uma música inspirada e cheia de swing. A Double Trouble faz uma versão envenenada para a clássica “Let Me Love You Baby”, de Willie Dixon, com Vaughan e Wynans em uma dobradinha encantadora. “Leave My Girl Alone” é uma canção com uma pegada mais melancólica, embora a guitarra de Vaughan continua bem pesada, em uma boa versão para a original de Buddy Guy. “Travis Walk” é curta e divertida, com um toque retrô, e andamento rápido. “Wall of Denial” traz bons vocais de Vaughan e seus solos de guitarra com muito feeling. “Scratch-N-Sniff” é um Blues divertidíssimo, demonstrando um balanço cativante, com ótimo aspecto dançante. O cover para “Love Me Darlin’”, com direito a Fuzz Face, é simplesmente brilhante, encontrando um Vaughan afiadíssimo nos solos. Encerrando o disco, tem-se a notável “Riviera Paradise”, de inspiração jazzy, uma música que dispensa qualquer tipo de comentário. Quatro singles foram retirados de In Step, com “The House Is Rockin’”, “Wall of Denial” e “Tightrope” alcançando as 18ª, 46ª e 14ª colocações na parada US Rock da Billboard, respectivamente. O single de “Crossfire” realizou o feito de ficar com o 1º lugar dessa mesma parada. In Step atingiu a 33ª posição da Billboard 200, vendeu mais de 2 milhões de cópias apenas nos Estados Unidos e venceu o Grammy na categoria Best Contemporary Blues Performance, em 1990. Enfim, se não for o melhor, In Step é um sério candidato a este posto na discografia de Vaughan.

Após o divórcio de Vaughan com Lenora ‘Lenny’ Darlene Bailey ser finalizado, a gravação do quarto e último álbum de estúdio da Double Trouble, In Step, começou. Inicialmente, Stevie possuía dúvidas sobre suas habilidades musicais e criativas depois de alcançar a sobriedade, mas ganhou confiança à medida que as sessões progrediam. As notas do álbum incluem a citação; ‘graças a Deus o elevador está quebrado’, uma referência ao programa de doze passos proposto pelos Alcoólicos Anônimos (AA).

Pouco antes da produção do álbum estar completa, Vaughan e a Double Trouble apareceram em uma festa presidencial em Washington, com George H. W. Bush.

Vaughan Brothers
Em 1990, Vaughan gravou um álbum com seu irmão Jimmie, sob o nome Vaughan Brothers, chamado Family Style, lançado pela Epic Records em 25 de setembro daquele ano (assunto para um futuro post).

Na segunda-feira, 27 de agosto de 1990, Vaughan e integrantes da comitiva de Eric Clapton fizeram uma jam session no Alpine Valley Music Theater, no Alpine Valley Resort, em East Troy, no estado norte-americano de Winconsin. Depois, eles decolaram para o Aeroporto Internacional de Midway, em Chicago, em um helicóptero, a forma mais comum de entrar e sair do local, pois só há uma única entrada, também utilizada pelo público.

No começo da tarde daquela segunda-feira, um helicóptero do modelo Bell 206B caiu nas proximidades de uma colina de esqui, na localidade de East Troy, no estado norte-americano de Winconsin, pouco depois de decolar. Todos os seus cinco ocupantes morreram imediatamente.

No helicóptero estavam o piloto Jeff Brown, o agente Bobby Brooks, o guarda-costas Nigel Browne, o manager de turnê Colin Smythe e o músico Stevie Ray Vaughan, este, com apenas 35 anos de idade.

A investigação subsequente determinou que a aeronave partiu em condições de nevoeiro, com visibilidade supostamente abaixo de duas milhas de acordo com uma previsão local. O relatório do National Transportation Safety Board afirmava: “Quando o terceiro helicóptero estava partindo, ele permaneceu em uma altitude menor que os outros, e o piloto virou para o sudeste em direção ao terreno. Subseqüentemente, o helicóptero caiu em terreno montanhoso a cerca de dois quintos de milha do ponto de decolagem”.

Os registros da Administração Federal de Aviação (FAA) mostraram que Brown estava qualificado para voar por instrumentos em um avião, mas não em um helicóptero. Testes toxicológicos realizados nas vítimas não revelaram vestígios de drogas ou álcool em seus corpos.

A morte e o funeral de Vaughan foram uma verdadeira comoção. Estima-se que cerca de 3 mil pessoas participaram do cortejo até o cemitério Laurel Land de Dallas. Entre os convidados estavam nomes como Stevie Wonder e ZZ Top.

O túmulo de Vaughan diz: “Thank you... for all the love you passed our way”.

Um quinto e último álbum de estúdio de Stevie Ray Vaughan and the Double Trouble, contendo gravações que abrangem a maior parte de sua carreira foi lançado cerca de um ano após a morte de Vaughan.

O álbum apresenta dez faixas inéditas, gravadas entre 1984 e 1989. Apenas uma canção, “Empty Arms”, apareceu em um dos álbuns anteriores do grupo. As músicas foram compiladas pelo irmão de Stevie, Jimmie Vaughan, como um veículo para lançar a faixa-título.

THE SKY IS CRYING – 1991

The Sky Is Crying é o quinto álbum de estúdio e, na realidade, uma compilação de gravações inéditas de Stevie Ray Vaughan and the Double Trouble, que vão de janeiro de 1984 a maio de 1989. Além da própria banda, Jim Gaines, Richard Mullen e Jim Capfer recebem créditos de produção. O trabalho foi lançado, pela Epic Records, em 5 de novembro de 1991. “Boot Hill” é um Blues padrão, embora criativo, com excelentes vocais de Stevie. A versão magnífica para “The Sky Is Crying” é simplesmente de arrepiar, especialmente, quando Vaughan faz sua guitarra “chorar”, refletindo o feeling monstruoso que ele possuía. “Empty Arms”, desta feita, está com o andamento mais veloz, enquanto serve para introduzir uma versão inacreditável para “Little Wing”, do mestre Jimi Hendrix. “Wham” é puro Rockabilly e se opõe ao Blues pesado e lento de “May I Have a Talk with You”, em um cover deveras sentimental para a faixa de Howlin’ Wolf. “Close to You”, de Willie Dixon, ganha o peso da guitarra infernal de Vaughan ao mesmo tempo em que a versão para “Chitlins con Carne”, de Kenny Burrell, traz à tona a veia jazzy da Double Trouble. A autoral “So Excited” é um típico Hard Blues Rock, furioso e intenso, com a cara de Vaughan. Para finalizar o trabalho, a acústica “Life by the Drop”, uma belíssima composição tocada por Stevie com um violão de 12 cordas. Os três singles lançados foram “The Sky Is Crying”, “Empty Arms” e “Little Wing”, as quais atingiram, respectivamente, a 2ª, 3ª e 26ª posições na parada US Rock da Billboard. O álbum alcançou a 10ª colocação da Billboard 200 e ultrapassou a marca de 2 milhões de cópias vendidas.

A versão para “Little Wing” propiciou à Stevie Ray Vaughan and Double Trouble um Grammy na categoria Best Rock Instrumental Performance, em 1993. Em 1992, ainda tentando faturar um troco, a Epic Records lançou o segundo álbum ao vivo do conjunto, In the Beginning, creditado a Stevie Vaughan and Double Trouble, com uma apresentação da banda em 1º de abril de 1980, transmitida pela rádio KLBJ-FM.

Vaughan venceu cinco W. C. Handy Awards e foi postumamente introduzido no Blues Hall of Fame, em 2000.

Suas vendas de álbuns nos EUA estão em mais de 15 milhões de unidades. Family Style, lançado logo após sua morte, ganhou o prêmio Grammy de 1991 na categoria de Best Contemporary Blues Album.

Em 2003, a revista norte-americana Rolling Stone classificou Vaughan em sétimo lugar entre os 100 Maiores Guitarristas de Todos os Tempos. Ele também se tornou elegível para o Hall da Fama do Rock and Roll, em 2008, mas não apareceu em uma lista de indicações até 2014, sendo introduzido ao lado da Double Trouble em 2015. A revista Guitar World classificou-o como o 8º lugar em sua lista dos 100 maiores guitarristas.

Em 1994, a cidade de Austin, Texas, ergueu o Stevie Ray Vaughan Memorial na trilha ao lado do Lago Lady Bird.

O Memorial, em Austin
Ao todo, Stevie Ray Vaughan têm 6 álbuns de estúdio, 7 álbuns ao vivo, 9 coletâneas, 5 Vídeos, 8 videoclipes, 4 EPs e 33 singles.

Fontes: Site Oficial; trechos de Stevie Ray Vaughan: Day By Day, Night After Night (Craig Hopkins); Site Caleidoscopio; Rolling Stone (site em inglês); Wikipédia; Google.

  • Compartilhe:

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

0 comentários